2012-05-05

Fiel ou infiel, eis a questão

Gosto pouco de zonas cinzentas ou discursos marialvas, a fidelidade é um valor anti-natural que se cultiva por decência. Se aconteceu ter olhado nos olhos de alguém e prometer-lhe isso, cumpra-se. E daí para baixo desfia-se um rol infinito de hipocrisias para as quais falta paciência. Há quem discuta as fronteiras até ao cérebro de cada um de nós, mas isso para mim nunca foi questão, eu fantasio e masturbo-me com o que me der na real  gana e ninguém tem nada a ver com isso. Aliás, já simplifiquei a questão em forma de poema, o tecido social é hoje, com maior ou menor virtualidade, um masturbatório encantado, e o proveito que cada um tira disso é com cada um e ninguém tem nada a ver com isso. Só é bom que não traga fealdade para onde pode haver beleza, porque os homens e as mulheres nunca se relacionam nem relacionarão em exclusivo e, tal como no sexo há muitas matizes para lá do coito, também nas relações entre homens e mulheres há um universo antes - e apesar ou sem a obrigação - da traição. Quanto ao cinema: o conjunto bem estruturado de curtas-metragens que "Les Infdèles" constitui é, mais do que uma excelente obra colectiva de bons realizadores e muito bons actores - um superlativo: venha lá quem vier, Jean Dujardin confirma aqui, e transcende, o merecido óscar que ganhou este ano -, uma excelente oportunidade de reflexão. Principalmente para quem está cheio de certezas, também para quem tem legítimas dúvidas. Da piada desbragada à que leva classe, da tensão digna de thriller à melancolia, da beleza de um casal de infiéis ao drama de um pacóvio bem parecido, "Les Infidèles" são duas horas de grande cinema e, acima de tudo, de boa lição. Como se nós precisássemos, dizem os infiéis. Pois vão e digam-me qualquer coisa. O que, parecendo uma questão lateral, tem de ser destacado como imperdoável neste filme é o, imagine-se, "trailer", mal montado e direccionado a um público pouco exigente. Esses também se divertem, mas cedo começam a cacarejar baixo. O filme perde clientes por causa desse trailer obtuso e isso não é nada normal: é que o "trailer" é quase sempre melhor do que o filme, não pior.

PG-M 2012

Sem comentários: