2017-05-21

Leste

 Culpo o vento leste por esta inquietude, por esta sombra putrefacta de desventura, quando a minha única fatalidade é a felicidade.
Quando eu era menino e os dias de leste vinham, eu ajoelhava-me aflito no sofá junto à janela aberta da sala e respirava depressa, para não sufocar.
A minha mãe vinha e dizia Pedrinho como nunca mais ninguém disse e punha-me a mão na testa e dava-me um beijo e dizia
ca
lma.
Perguntava se eu queria uma compressa molhada para a testa e eu abanava a cabeça aflita a dizer que não, mas ela trazia na mesma, como nos trazem sempre as boas mulheres na aflição e na febre.
Estou como nesses dias, aflito, mas o peso do mundo e da minha função nele faz-me parecer calmo. Talvez notem apenas que hoje não falo, logo eu, que falo tanto, que nunca deixei de ser a criança que não se cala com o entusiasmo de estar viva.
Mas estou muito aflito e a culpa é do Leste.
Tenho de ver a minha mãe, porque posso, e continuar a sofrer pelos que não podem. Creio que só hoje entendi as consequências de não ter a mãe no mundo e a sorte de ainda a ter. Sem ela, as aflições tornar-se-iam infinitas. Sou bem capaz de chorar, quando a vir, mas quem observar esse encontro vai dizer
o filho da Mena está sempre a rir-se
e depois fica o mundo a aderir e a regredir, ficam uns a dizer que este sorriso é dor velada ou hipocrisia, outros que não, que sou mesmo um puro, e finalmente outros
simplesmente a amar-me

PG-M 2017

Sem comentários: