2017-05-13

Perfeitos Conhecidos

Quem vê o trailer deste filme italiano de Paolo Genovese - que tem três argumentistas homens e uma mulher, que os deve ter combatido sem quartel -, tem logo duas ou três ideias-tipo: boa ideia, imperdível, dificilmente sairá da mediania. Mas sai, e bem, quase em direcção às estrelas. Quem vai acompanhando os meus escritos amadores sobre cinema, sabe pelo menos duas coisas: que só escrevo sobre filmes urgentes (nem que a urgência seja evitá-lo, o que não o caso deste) e que me assumo como cinféfilo de rua, o tipo que há trinta e tal anos vê pelo menos dois filmes por semana nas salas, em média (às vezes mais, na altura dos óscares, às vezes um). Façam as contas, são muitos milhares. Raramente vejo o pequeno cinema (portanto, em casa), porque prefiro concertos ao vivo, e na verdade o concerto ao vivo que um filme é vale quase sempre a pena e até é um vício barato.
O título português, mais uma vez infeliz, é "Amigos, amigos, telemóveis à parte". Gostava de justificar o "infeliz", porque até tenho respeito pelas pessoas que fazem este difícil trabalho de traduzir títulos (sendo que não lhe podem dar qualquer título, porque alguns já estão tomados por direitos de autor): é infeliz porque induz a leveza, o light, o frívolo, e o filme não é nada disso. O título italiano, traduzido à letra, "Perfeitos Desconhecidos", também é pior do que o deste post, modéstia à parte, porque creio que a abordagem de um parceiro lúcido é a de que já sabe que o seu próximo, o seu cônjuge, o seu amigo, o seu filho, têm os seus próprios segredos e que não saudável viver de esqueleto à mostra. Mas ainda há quem pense e defenda o contrário: este filme está do meu lado, e de forma paradigmática: o mais honesto entre todos é aquele que mais abertamente se declarou contra o tal jogo perigoso de colocar os telemóveis em cima da mesa e deixar que todos os convivas os devassem.

Este filme é urgente porque induz um debate - em princípio saudável, mas pode ser doentio, ficam já avisados. Este filme é urgente porque é sobre nós, hoje. Este filme é urgente porque faz rir de forma não desbragada. Este filme é urgente porque encerra muita beleza, e não, de certeza, o eclipse. Embora eu dispensasse a musiquinha de fundo quando o pai fala com a filha ao telefone, a meio do filme, essa cena é fortíssima e comovente. Este filme é urgente porque pode ser (não é) teatro puro e do melhor em qualquer parte do mundo, assim um bom encenador lhe pegue. Eu adorava vê-lo em palco. Pode mesmo ser de uma violência extrema para as nossas certezas e para as nossas culpas, mas é obrigatório. Claro. E com claridade.

PG-M 2017

Sem comentários: