2017-03-18

Tabacaria espontânea: Carol 10.000

 "Cê pode ler textos meus com o seu sotaque maravilhoso?", "Claro que sim." E, digo eu, maravilhosos eram os textos da Carol. "Ai, que maravilha!" (dizia ela, ouvindo o meu sotaque, que não a minha leitura, porque nem sequer leio ou digo bem). "Eu sei a Tabacaria!", "Sabe? Que parte?", "Eu acho que toda", "Toda?", "Sim.", "Seria capaz de a dizer agora, sem preparação, e autoriza que eu filme?", "Claro." Armei o telemóvel, o mesmo que filmara o "Happy" de Minas por esses dias, e filmei seguido, e à primeira. Cada vez que sou notificado de um comentário, venho rever. É maravilhoso. Mais até do que a interpretação, o facto. A quem já ocorreu uma Tabacaria espontânea? A oito mil quilómetros de casa, eu lembro-me de que só queria chegar e chutar isto para a rede. No avião de regresso, mostrei o vídeo ao sobrinho do próprio autor. Ele espantou-se, como todos. Esta menina, a Carol, a quem chamámos Silvia Plath, e a Lívia, que assiste primorosamente, a quem chamámos actriz, já entraram na universidade. Ainda a quiseram trazer cá, e deviam, mas na verdade ninguém trouxe. Quase a celebrar as dez mil visualizações.


2017-03-04

O peso do leve

Em defesa do frívolo e da forma como ele - por vezes - nos pode iluminar.
Casos práticos: a nova música do Justin Timberlake, Can't Stop the Feeling, saída da banda sonora dos Trolls, passava-me completamente ao lado. O próprio Justin era artista que me passava ao lado. E creio que - ele e a sua música - passariam sempre, não fossem dois momentos relevantes: o Justin Timberlake ter estado por dentro da abertura dos Globos de Ouro, com o Jimmy Fallon (esta brilhantíssima, e que fez falta nos óscares) e na abertura dos Óscares (esta, aparentemente tão simples, mas complexa, em termos de realização e coreografia para uma transmissão recebida por milhares de milhões de pessoas e onde um detalhe - veja-se o caso da troca de envelope - pode ser dramático). De o próprio Justin ter contribuído para destruir todas as boquinhas, todas as críticas, com um elevado sentido de humor. Esse momento dos óscares injectou-nos de luz, a suficiente para esquecer o exagero do LaLaLand. Então dou por mim a modificar-me ao som da música que antes nem um pêlo me levantava. Ao ponto de já a ter encaixado na minha playlist, no meio de uma injecção de Credence Clearwater Revival. Mas esta coisa dos guilty pleasures é mais substancial do que pode parecer, se reflectirmos sobre estas invasões. Em 2014, no Brasil, o grupo de portugueses e espanhóis que foram a um festival literário tinham todos um sentimento idêntico sobre o hype da altura, o "Happy", do Farell Williams, não por causa do Farell, que é um grandíssimo compositor, mas por causa da massificação de Happies à escala global. Para "gozar" com o assunto, fizemos o nosso próprio "Happy", que abria com uma mimetização da passadeira de Abby Road, dos Beatles. O efeito foi de tal forma positivo, luminoso, que, não só se cumpriu a nossa dádiva de gratidão aos brasileiros e portugueses que nos receberam no sul de Minas, como despertou o interesse da Globo, que ainda fez uma ou duas reportagens sobre o assunto. Hoje, anos volvidos, e tendo perdido a vida duas das pessoas que participam no vídeo, tenho a certeza que todos os outros sentem o "Happy" como uma música importante, fundamental mesmo, no seu percurso. Podia continuar, mas isso ia obrigar-me a desenvolver a minha tese sobre o génio que é Jim Carrey, por exemplo, que, à conta de nos fazer pensar que nos dá barrigadas de riso pelo frívolo, é de uma profundidade e cultura estonteantes, algo que por cá nos habituámos a ver no Ricardo Araújo Pereira, mas noutro nível (o Ricardo não tem a capacidade de se rir de si próprio e consigo próprio que o Jim tem, tampouco a gargalhada franca, que no Ricardo é mais a assumida técnica humorística da autodepreciação). Sei que,não raro, me criticavam o meu Conan O'Brien por ser light, por nada ali se aprofundar, e eu me perguntar, admitindo que até era verdade, a razão de me sentir pleno com aqueles programas. Chego a esta conclusão intermédia (intermédia, porque este é apenas um princípio de reflexão), que talvez explique porque é que todos, mesmo aqueles que buscam algo mais profundo ou elevado, precisam do frívolo para sobreviver, principalmente do frívolo que ilumina e diverte: é que nós, na intimidade, somos isso mesmo, animais banais e frívolos que tentam sobreviver, cheios de tiques e hábitos nada elevados ou profundos. O frívolo é, pois, a nossa natureza. Precisamos dos que iluminam sem complicar para aguentar os dias mais sombrios. Precisamos de dançar e de cantar e de praticar o air guitar ou o air drums, precisamos de ser bonitos e cool ou que sejam bonitos e cool por nós.

PG-M 2017

2017-03-03

Marion forever (and ever, and ever, and ever)

Marion perfeita, como nunca. 
Este é um alerta urgente e essencial para cinéfilos, já que de nada vos vale cruzar o imdb com o metacritic, neste caso. Já aqui tenho escrito que eu já era fã da Marion Cotillard antes do merecido óscar por "La Môme" (não foi merecido, foi obrigatório).
Vi-a dispersar-se um bocadinho em Hollywood e em inglês. Mas também a fui vendo reencontrar-se com a grande actriz que é. Bom, não é grande, é maior. Mas nunca tinha visto tudo o que gosto nela, ponto por ponto, luz por luz, sombra por sombra, num só filme. Esse filme é, no original, "Mal de Pierres", que em português ficou com o título lamechas "Um instante de amor", mas é tudo menos isso (não é lamechas, nem o amor, neste filme, pode ser visto como um instante). É um filme completo e até algo inesperado. Acima de tudo, é o Olimpo para Marion, é um festival de Marion, totalmente esquecido pela academia americana, mas amplamente nomeado para os Césares (melhor actriz, claro, mas também a excelente realização de Nicole Garcia, entre outras nomeações), para a Palma d'Ouro, em Cannes, etc, etc.Quando penso que andam aí com La La La para cá, La La La para lá, e filmes como estes se perdem no ruído. Como diria a minha amiga Ana Saramago, com o seu hardcore fofo, La La La o c.! Marion forever, isso pode ser debruado a ouro! Não percam, sim? E depois digam se tenho ou não razão    

Ps: recordo o que escrevi em 2008: 

"Antes que o Óscar te queime a substância querubim de incêndios dourados, Antes que venham os iluminados decidir que a tua excelência não se pode consentir (o que raio é o overacting?), afinal tens toda uma pátria aos pés, e agora o mundo, e eu, este anónimo que teima em ver as estrelas de frente, as do céu não as caídas do cinema, e que desde o minuto um, depois de ter ver possessa de Piaf, aquele minuto em que desembrulhamos o corpo da magia do cinema e nos levantamos do lugar, calcamos as pipocas sobre a alcatifa e declaramos, já com a luz branca do shopping a surgir pela porta

- Magnífico!

Repara que eu nem sequer sabia que tu eras uma menina quando te vi levar "La Môme" até à morte, só podias ser uma actriz francesa consagrada que a selecção de Hollywood não tinha deixado chegar, depois procuro-te e sei que és bonita não complexa como Piaf, és elegante, mesmo olímpica, não mirrada como Piaf, és transparente e não negra como Piaf, vejo o filme de novo e ainda fico pior, mais inquieto, será que o Cinema vai deixar passar este monumento em claro?

Não deixou.

Ganhaste em casa o César, o improvável Bafta na Britânia e agora o universal Óscar, e mais quinze ou dezasseis prémios todos merecidos.

O que fizeste no "La Môme" ("La vie en Rose" em Portugal) é inefável. Tremendo.Não sei para onde vais, Marion, gostava que não fosses a lado nenhum de especial, mas a verdade é que, do ponto de vista divino, já és deusa, e nunca se é deusa cedo demais.Ficas para sempre, gostava apenas que ficasses mais um pouco e não fosses Monroe, Dean, Phoenix ou Ledger.

Hoje fui buscar a minha bisavó Germaine Lechartier, lá acima às memórias de um impreciso noroeste francês, para dar sentido ao meu sangue que fervilha como se fosses cá de casa."

PG-M 2017